Páginas

sábado, 23 de junho de 2012

Exposição Meio Ambiente RIO + 20


Exposição Meio Ambiente RIO + 20



1ª Culminância realizada na E.M. Pernambuco (Nova Gestão) no dia 18 de Junho.

É só clicar no link:

















sábado, 16 de junho de 2012

Danças Folclóricas parte 2



. Dança de S. Gonçalo (MG, SP) – para sua execução as pessoas se organizam em duas fileiras, 
uma de homens e outra de mulheres, organizados diante de um altar do santo. Cada fileira é 
encabeçada por dois violeiros – mestre e contramestre – que dirigem todo o rito. A dança é
 dividida em partes chamadas “volta”.

· Dança do Tamanduá (ES) - organizada em roda de homens e mulheres, um solista ao 
centro vai executando movimentos determinados pela letra da cantoria: pondo a mão na
 cabeça ou na cintura, batendo com o pé no chão, pulando para lá e para cá, mexendo 
com as cadeiras etc. As músicas são na forma solo-coro, o que permite improvisação 
nas ordens musicais cantadas pelo puxador.

· Fandango (SP) - neste Estado há duas modalidades de Fandango: o do interior e o
 do litoral. O primeiro revela influências do tropeiro paulista. Dançam somente homens, 
em número par. Vestem-se com roupas comuns, chapéus, lenço ao pescoço, botas 
com chilenas de duas rosetas, sem os dentes.

· Jongo (MG, SP) – dança de negros organizados em roda mista, alternando-se
 homens e mulheres. No centro um solista, um jongueiro, que canta sua canção, 
o “ponto”. Os demais respondem em coro, fazendo movimentos laterais e batendo
 palmas, nos lugares.

· Mineiro-pau (MG, RJ) - dança executada por homens, adultos e crianças, cada
 um levando um ou dois bastões de madeira. Desenvolvida em círculo ou em fileiras 
que se defrontam, os dançarinos, voltados de frente para o seu par, realizam uma
 coreografia totalmente marcada pelas batidas dos bastões no chão.

· Quadrilha (todos os Estados) - própria dos festejos juninos, a Quadrilha nasceu
 como dança aristocrática, oriunda dos salões franceses, depois difundida por toda
 a Europa. No Brasil foi introduzida como dança de salão que, por sua vez, 
apropriada e adaptada pelo gosto popular.


DANÇAS FOLCLÓRICAS BRASILEIRAS - aula 17 do 6° ano da Educopédia


DANÇAS FOLCLÓRICAS BRASILEIRAS

    Entende-se por Danças Folclóricas as expressões populares desenvolvidas em conjunto ou individualmente. Tudo indica que é na coreografia que reside seu elemento definidor. Existe grande número delas no Brasil.
                                               
Região Sudeste

· Batuque (SP, MG, ES) - dança de terreiro com pessoas de ambos os sexos, organizados em duas fileiras – uma de homens e outra de mulheres. A coreografia apresenta passos com nomes específicos: “visagens” ou “mica-gens”, “peão parado” ou “corrupio”, “garranchê”, “vênia”, “leva-e-traz” ou “cã-cã”. São executados com os pares soltos que, saindo das fileiras, circulam livremente pelo terreiro.

· Cana-verde (toda a região) - também chamada Caninha-verde. A disposição dos dançadores varia entre círculo sem solista, fileiras opostas, rodas concêntricas; os movimentos podem ser deslize dos pés, sapateios leves ou pesados, balanceios, gingados, troca de pares. O movimento tido como característico é a “meiavolta”, desenvolvida num círculo que se arma e se desfaz com os dançadores deslizando, ora para dentro ora para fora, ora em desencontro, ora em retorno à posição inicial.

· Catira ou Cateretê (MG, SP) – é executada exclusivamente por homens, organizados em duas fileiras opostas. Na extremidade de uma delas fica o violeiro que tem à sua frente o seu “segunda”, isto é, outro violeiro ou cantador que o acompanha na cantoria. O início é dado pelo violeiro que toca o “ras-queado”, para os dançadores fazerem a “escova”- batepé, bate-mão, pulos.

· Caxambu (MG, RJ) – dança executada por homens e mulheres postos em roda sem preocupação de formar pares. No centro, fica o solista, “puxando” os cantos e improvisando movimentos constituídos de saltos, volteios, passos miúdos, balanceios. Os instrumentos acompanhantes são dois tambores, feitos de tronco de árvore, cavalos a fogo e recobertos com couro de boi.

. Ciranda (RJ) – No Rio de Janeiro o termo ciranda pode significar tanto uma dança específica quanto uma série de danças de salão, que obedecem a um esquema: Abertura, Miudezas e Encerramento. Enquanto dança, faz parte das miudezas da Ciranda, baile.


Valores trabalhados na aula 17 do 6° ano da Educopédia


Podemos observar a integração de diferentes povos na construção da cultura de uma região. O Sul por exemplo, apresenta aspectos culturais dos imigrantes portugueses, espanhóis e principalmente alemães e italianos. Podemos observar na região sudeste a influência portuguesa (fandango, folia de reis). Essa integração pode ser observada também na culinária, pois no Sudeste esta apresenta uma forte influência do índio, do escravo e dos diversos imigrantes europeus e asiáticos.




domingo, 3 de junho de 2012

Projeto Entre Jovens

Além de atuar como professora de Educação Física na E.M. Suécia, agora também estou iniciando um trabalho de Coordenação Pedagógica na E.M. Pernambuco.
Com o ajuda da nossa estagiária Edilene, fizemos um lindo mural para o Projeto Entre Jovens - Reforço de Matemática! Confiram as fotos! Em breve, mais postagens!!!